Não é estupro se for na Globo, mas no Metrô é…

Pra quem achou que o texto “Não é estupro se for na globo” era muito forçado…

Jovem assediada no metrô ataca quadro do ‘Zorra Total’

X. nunca conseguiu dar risada de um quadro do humorístico “Zorra Total” (TV Globo) que se passa num vagão do metrô. “Sempre achei um desrespeito”, diz a jovem de 21 anos, aparência de 15.Mas, agora, X. não pode nem sequer ver as personagens “Valéria” e “Janete”. Ela acusa um advogado de 46 anos de tê-la atacado sexualmente em um trem no metrô, às 18h40 do último dia 14.
“A gente que trabalha sabe o empurra-empurra que é pegar o metrô na ida e na volta, e ainda por cima no horário de pico. Aí, eles põem essa brincadeira ridícula. Só quem já sentiu na pele a humilhação de ter um sujeito se esfregando contra o seu corpo sabe a tristeza que é. Tem gente que acha engraçado, mas eu, se eu pudesse, tirava [o quadro] do ar”, disse X.Baixinha (1,59 metro) e magricela, resultado da dieta sem carne que segue desde criança, quando assistiu a um documentário sobre matadouros, X. saía do trabalho no centro de São Paulo, depois de uma jornada de nove horas, rumo à sua casa, em Itaquera (zona leste). Trajava calça jeans e blusa de mangas compridas.Nesse trajeto, a chamada Linha Vermelha do metrô apresenta densidade máxima (10,9 pessoas por metro quadrado no horário de pico). É a mais congestionada do sistema paulistano.

“ELE VINHA”
Segundo X., o assédio iniciou-se tão logo ela entrou no vagão lotado, o advogado encostando-se em seu corpo:
“Eu cheguei a pensar que fossem outras pessoas que estivessem empurrando. Eu tentava me esquivar e ele vinha. Eu saía e ele vinha. Toda hora. Eu tinha ainda a preocupação com a bolsa, para não roubarem. Então, uma hora, não tive mais para onde ir, porque ele colocou as mãos nos ferros de cima e me apertou com o corpo.”Um rapaz de 24 anos, comerciário, que estava no mesmo vagão, flagrou o instante em que X. desmaiou: “Ao olhar para trás, ela viu o pênis do advogado fora da braguilha da calça do terno”. Continuar a ler

Anúncios

Não é estupro se for na Globo

Há alguns meses a arroba mais influente do Twitter, como Rafinha Bastos gosta de ser chamado, foi duramente criticado por fazer uma piada sobre estupro dizendo que “mulher feia quando é estuprada deveria agradecer”. Além dos ataques no Twitter, o Ministério Público decidiu investigá-lo por conta da piadinha desrespeitosa e de péssimo gosto. Nada mais justo. Estupro ou qualquer outro tipo de abuso sexual é algo nojento e criminoso. Além disso, uma “piada” como essa fere a dignidade de quem já passou por essa situação e dos seus familiares. Eu tenho um caso de estupro na família e me sinto ofendido quando vejo alguém banalizando algo tão grave.

Paralelo a tudo isso, a nova sensação do sempre engraçadíssimo e inovador Zorra Total [/ironia] conta da história de uma transexual e sua amiga feia que andam em um metrô lotado e suas desventuras cotidianas. Continuar a ler

Diálogo de corpos. Diálogo de mentes.

Diálogo de corpos. Diálogo de mentes.
Os corpos falam. As mentes falam.
Corpos e mentes se manifestam diferentemente. Cada qual com sua própria linguagem.
De fato se comunicam. Há momentos em que suas mensagens se cruzam, e outros em que andam paralelas.
Contudo, quando os corpos conversam, as mentes se calam.
Namoro é conhecimento, casamento é experiência.
Sexo em tempo de teoria é falta de diálogo em tempo de prática.

*Por uma amiga que prefere permanecer anônima.