Arrependimento e Amor. Cada Coisa Em Seu Lugar

No desenrolar da história de Jesus e Zaqueu fica claro algumas prioridades do Reino de Deus.
Zaqueu tinha ouvido que Jesus se aproximava e ele queria muito saber quem era o tal messias que o povo tanto comentava. Para isso resolveu subir numa árvore. Jesus o avistou e pediu para ele descer, pois queria repousar em sua casa. O povo, pra variar, não entendeu em nada a grande demonstração de amor que Jesus deu. Zaqueu incomodado com a falácia do povo e também entendo que ele não era digno de dar morada ao Messias, disse em alto e bom som.

“Olha, Senhor! Estou dando a metade dos meus bens aos pobres; e se de alguém extorqui alguma coisa, devolverei quatro vezes mais”. (Lucas 19:8)

Vou resumir isso em uma palavra: Arrependimento.

Mas como eu posso ter certeza de qual era a intenção de Zaqueu ao dizer isso? Será que ele não foi politico pra acalmar o povo e parecer piedoso aos olhos de Jesus? A resposta a isso esta no versículo seguinte, e se você conhece o básico da história de Cristo, sabe que Ele não fazia média e não tinha papas na lingua.

“Jesus lhe disse: ‘Hoje houve salvação nesta casa! Porque este homem também é filho de Abraão. Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido’.” (Lucas 19:9,10)

Resumindo: Porque houve arrependimento é que houve Salvação.

João Batista saiu “preparando o caminho para Senhor” pregando “um batismo de arrependimento para o perdão dos pecados.” (Lucas 3:3)

Jesus, logo depois da tentação, começou a pregar “Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo”. (Mateus 4:17)

Quando Jesus ressucitou e apareceu a seus discipulos, a mensagem que Ele deixou foi:

“Está escrito que o Cristo haveria de sofrer e ressuscitar dos mortos no terceiro dia, e que em seu nome seria pregado o arrependimento para perdão de pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vocês são testemunhas destas coisas.” (Lucas 24:46-48)

Esses últimos versículos colocam algumas coisas no lugar.

A mensagem do Reino NÃO É o amor. Mas uma de suas prioridades é o arrependimento. A morte de Cristo na cruz foi o pagamento de nossa dívida, para que nos arrependessemos dos nossos maus caminhos e tivessemos para onde ir. Um novo caminho. Uma boa nova.

John Piper diz que “O mandamento ‘arrepender-se‘ baseia-se numa OFERTA
misericordiosa de PERDÃO e numa advertência também misericordiosa de que, o
que um dia recusarem perecerão no juízo de Deus.” E isso só foi possível pelo sacrifício de Cristo.

Mas é interessante notar que Jesus fala sobre pregarmos arrependimento em Seu nome. Ou seja, a mensagem é o arrependimento, mas o meio e a forma é em amor, já que ele é o verbo encarnado.

Conseguem ver a diferença?

Entendo que a ordem dos fatores, nesse caso, altera sim o resultado. E é por isso que vemos tanto abuso da graça. Porque pregamos um amor que “vence tudo”, mas não nos leva a um profundo e real arrependimento.

E se não nos leva a esse arrependimento, será que a salvação realmente chegou a nossa casa?

Convite ao Sofrimento!

Estava dando uma volta no meu bairro agora a noite e ouvi, de longe em uma igreja, uma mulher que cantava muito alto e extremamente desafinado. A música dizia o seguinte “Não pode ser triste um coração que louva a Deus”. Bonitinho, não?Sinceramente, na hora que ouvi isso, quis soltar um sonoro PQP, mas me controlei.Eu não sei porque raios, ainda insistem que quando você “vira crente” tudo tem que ficar as mil maravilhas. Um mar de rosas. Acho que por ser meio que um discipulo do C.S. Lewis, tenho dificuldade de entender pessoas que não conseguem ver a “beleza da dor”. Na verdade, eu não chamaria nem de beleza, mas de necessidade em sentir-se mal, triste, com dor, desesperançado e tudo mais que vier no pacote. Se você sente ou ja sentiu algumas dessas coisas, ótimo. Você é um ser humano normal. E tenho certeza, que se eu pedir pra você contar sua história, haverão muitas lições aprendidas, correto? A coisa funciona meio como diz a música “Perdendo Dentes” do Pato Fu.”As brigas que ganheiNem um troféuComo lembrançaPra casa eu leveiAs brigas que perdiEstas simEu nunca esqueciEu nunca esqueci”Pra quem acompanha meu blog, sabe que tenho “dificuldade” com triunfalistas. Preciso deixar claro alguns pontos só. Eu acredito em milagre, acredito na total atuação da trindade na história, acredito que Deus pode mudar totalmente a vida de uma pessoa. Ele pode tirar qualquer um do fundo poço, porque Ele me tirou de lá. Mas, nem por isso, apesar de todos os milagres que Ele faz na minha vida todo dia, eu deixei de chorar, eu deixei de sentir dor, deixei de ficar angustiado. Pode parecer mas nas conversas com algumas pessoas que estão passando por grandes dificuldades na vida, uma das minhas tentativas de ajudar tem sido estimula-las a chorar. E, sim. Isso tem surtido efeito. Porque muitas vezes, não sou nem eu quem comenta, mas elas próprias dizem que sua maior dificuldade tem sido chorar. Não conseguir colocar pra fora.Pra entender felicidade plenamente, há a necessidade de ter sofrido. E sinto-lhe informar. Se você nunca sofreu, você nunca viveu. E me perdoe se não trago aqui, alguma “esperança” no final desse post. Na verdade eu só queria colocar “no papel” estava sentindo. Se servir de consolo, deixo as palavras de alguém que curtiu o sofrimento, uma dica de video e algumas dicas de leitura.“Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.” (II Corintios 11:24-27)”Aguardo ansiosamente e espero que em nada serei envergonhado. Ao contrário, com toda a determinação de sempre, também agora Cristo será engrandecido em meu corpo, quer pela vida, quer pela morte; porque pra mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:20, 21)Clique AQUI para assistir o video.Livros:A Dadiva Da Dor – Philip Yancey / Paul BrandO Problema do Sofrimento – C.S. LewisAnalogia De Uma Dor – C.S. Lewis
Estava dando uma volta no meu bairro agora a noite e ouvi, de longe em uma igreja, uma mulher que cantava muito alto e extremamente desafinado. A música dizia o seguinte “Não pode ser triste um coração que louva a Deus”. Bonitinho, não?
Sinceramente, na hora que ouvi isso, quis soltar um sonoro PQP, mas me controlei.
Eu não sei porque raios, ainda insistem que quando você “vira crente” tudo tem que ficar as mil maravilhas. Um mar de rosas. Acho que por ser meio que um discipulo do C.S. Lewis, tenho dificuldade de entender pessoas que não conseguem ver a “beleza da dor”. Na verdade, eu não chamaria nem de beleza, mas de necessidade em sentir-se mal, triste, com dor, desesperançado e tudo mais que vier no pacote. Se você sente ou ja sentiu algumas dessas coisas, ótimo. Você é um ser humano normal. E tenho certeza, que se eu pedir pra você contar sua história, haverão muitas lições aprendidas, correto?
A coisa funciona meio como diz a música “Perdendo Dentes” do Pato Fu.
“As brigas que ganhei
Nem um troféu
Como lembrança
Pra casa eu levei
As brigas que perdi
Estas sim
Eu nunca esqueci
Eu nunca esqueci”
Pra quem acompanha meu blog, sabe que tenho “dificuldade” com triunfalistas. Preciso deixar claro alguns pontos só. Eu acredito em milagre, acredito na total atuação da trindade na história, acredito que Deus pode mudar totalmente a vida de uma pessoa. Ele pode tirar qualquer um do fundo poço, porque Ele me tirou de lá. Mas, nem por isso, apesar de todos os milagres que Ele faz na minha vida todo dia, eu deixei de chorar, eu deixei de sentir dor, deixei de ficar angustiado. Pode parecer mas nas conversas com algumas pessoas que estão passando por grandes dificuldades na vida, uma das minhas tentativas de ajudar tem sido estimula-las a chorar. E, sim. Isso tem surtido efeito. Porque muitas vezes, não sou nem eu quem comenta, mas elas próprias dizem que sua maior dificuldade tem sido chorar. Não conseguir colocar pra fora.
Pra entender felicidade plenamente, há a necessidade de ter sofrido. E sinto-lhe informar. Se você nunca sofreu, você nunca viveu. E me perdoe se não trago aqui, alguma “esperança” no final desse post. Na verdade eu só queria colocar “no papel” estava sentindo. Se servir de consolo, deixo as palavras de alguém que curtiu o sofrimento, uma dica de video e algumas dicas de leitura.
“Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.” (II Corintios 11:24-27)
“Aguardo ansiosamente e espero que em nada serei envergonhado. Ao contrário, com toda a determinação de sempre, também agora Cristo será engrandecido em meu corpo, quer pela vida, quer pela morte; porque pra mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:20, 21)
Clique AQUI para assistir o video.
Livros:
A Dadiva Da Dor – Philip Yancey / Paul Brand
O Problema do Sofrimento – C.S. Lewis
Analogia De Uma Dor – C.S. Lewis

Estava dando uma volta no meu bairro agora a noite e ouvi, de longe em uma igreja, uma mulher que cantava muito alto e extremamente desafinado. A música dizia o seguinte “Não pode ser triste um coração que louva a Deus”. Bonitinho, não?

Sinceramente, na hora que ouvi isso, quis soltar um sonoro PQP, mas me controlei.

Eu não sei porque raios, ainda insistem que quando você “vira crente” tudo tem que ficar as mil maravilhas. Um mar de rosas. Acho que por ser meio que um discipulo do C.S. Lewis, tenho dificuldade de entender pessoas que não conseguem ver a “beleza da dor”. Na verdade, eu não chamaria nem de beleza, mas de necessidade em sentir-se mal, triste, com dor, desesperançado e tudo mais que vier no pacote. Se você sente ou ja sentiu algumas dessas coisas, ótimo. Você é um ser humano normal. E tenho certeza, que se eu pedir pra você contar sua história, haverão muitas lições aprendidas, correto?

A coisa funciona meio como diz a música “Perdendo Dentes” do Pato Fu.

“As brigas que ganhei Nem um troféu Como lembrança Pra casa eu levei As brigas que perdi Estas sim Eu nunca esqueci Eu nunca esqueci”

Pra quem acompanha meu blog, sabe que tenho “dificuldade” com triunfalistas. Preciso deixar claro alguns pontos só. Eu acredito em milagre, acredito na total atuação da trindade na história, acredito que Deus pode mudar totalmente a vida de uma pessoa. Ele pode tirar qualquer um do fundo poço, porque Ele me tirou de lá. Mas, nem por isso, apesar de todos os milagres que Ele faz na minha vida todo dia, eu deixei de chorar, eu deixei de sentir dor, deixei de ficar angustiado. Pode parecer estranho, mas nas conversas com algumas pessoas que estão passando por grandes dificuldades na vida, uma das minhas tentativas de ajudar tem sido estimula-las a chorar. E, sim. Isso tem surtido efeito. Porque muitas vezes, não sou nem eu quem comenta, mas elas próprias dizem que sua maior dificuldade tem sido chorar. Não conseguir colocar pra fora.

Pra entender felicidade plenamente, há a necessidade de ter sofrido. E sinto-lhe informar. Se você nunca sofreu, você nunca viveu. E me perdoe se não trago aqui, alguma “esperança” no final desse post. Na verdade eu só queria colocar “no papel”  o que estava sentindo. Se servir de consolo, deixo as palavras de alguém que curtiu o sofrimento, uma dica de video e algumas dicas de leitura.

“Recebi dos judeus cinco quarentenas de açoites menos um. Três vezes fui açoitado com varas, uma vez fui apedrejado, três vezes sofri naufrágio, uma noite e um dia passei no abismo; Em viagens muitas vezes, em perigos de rios, em perigos de salteadores, em perigos dos da minha nação, em perigos dos gentios, em perigos na cidade, em perigos no deserto, em perigos no mar, em perigos entre os falsos irmãos; Em trabalhos e fadiga, em vigílias muitas vezes, em fome e sede, em jejum muitas vezes, em frio e nudez.” (II Corintios 11:24-27)

“Aguardo ansiosamente e espero que em nada serei envergonhado. Ao contrário, com toda a determinação de sempre, também agora Cristo será engrandecido em meu corpo, quer pela vida, quer pela morte; porque pra mim o viver é Cristo e o morrer é lucro” (Filipenses 1:20, 21)

Clique AQUI para assistir o video.

Livros:

A Dadiva Da Dor – Philip Yancey / Paul Brand

O Problema do Sofrimento – C.S. Lewis

Anatomia De Uma Dor – C.S. Lewis

Deus e não dEU$!

God

Eu me lembro como se fosse hoje. Eu tinha por volta de 10 anos de idade. Meu pai me pegou no colo e começou a brincar comigo. Logo em seguida me perguntou num tom jovial; “Quem é o melhor pai do mundo?”. E eu mais do que de pressa respondi sem hesitar. “O ‘Seu mané’, pai do Rafinha. Ele deu um Nintendo novo pra ele hoje”. Lembro com clareza da expressão de tristeza do meu pai. Da minha mãe vindo conversar comigo. Éramos (somos) de familia pobre, nunca tive grandes brinquedos, fui ter meu primeiro videogame por volta dos 16 anos quando comecei a trabalhar. Mas nunca nos faltou o alimento em casa. Sempre tinhamos o necessário pra viver. Passados mais de 15 anos, eu fico extremamente triste em ver que a teologia da prosperidade e outras aberrações vem dominando o Brasil com toda a força. Parafraseando John Piper “Quem não quer um Deus que dá um carro novo, uma casa, dinheiro e tudo mais?” As pessoas correm, literalmente, atrás de um “deus Tabajara” – SEUS PROBLEMAS ACABARAM! Se esquecem de versículos na biblia como:

“Meus irmãos, tomai por exemplo de aflição e paciência os profetas que falaram em nome do Senhor.” (Tiago 5:10)

“E o Deus de toda a graça, que em Cristo Jesus vos chamou à sua eterna glória, depois de haverdes padecido um pouco, ele mesmo vos aperfeiçoará, confirmará, fortificará e fortalecerá.” (I Pedro 5:10)

“Mas, se somos atribulados, é para vossa consolação e salvação é; ou, se somos consolados, para vossa consolação e salvação é, a qual se opera suportando com paciência as mesmas aflições que nós também padecemos;E a nossa esperança acerca de vós é firme, sabendo que, como sois participantes das aflições, assim o sereis também da consolação.”  (I Corintios 1:6,7)

Me sobe o sangue vendo homens e mulheres usurpando a palavra de Deus para beneficio próprio. Pregando um evangellho triunfalista que nunca existiu. Usando partes de versículos como “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido…” Mas se esquecendo do complemento dele “para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz;” e não para enriquecer os bolsos, comprar carros do ano, templos banhados a ouro e por ai vai. Até a “biblia da prosperidade financeira” criaram para fundamentar as suas peripécias. E este post não é para atacar nenhum desses, ditos, lideres, que podem ser tudo, menos espirituais. A questão é. Esse não é meu deus. Ta bem longe de ser. Esse deus que vem sendo apresentado por ai é só um mero rascunho de deuses pagãos que se perpetuaram de tempos em tempos na história. É só você parar pra ler um pouco de mitologia grega, nórdica e outras e vai encontrar grandes semelhanças.

É na angústia que tenho visto a atuação do verdadeiro Deus. É no sofrimento que tenho visto o Seu cuidado. É no desespero que tenho visto o Seu amor. É no frio que tenho sentido Seu calor. É nesse mundo relativista que tenho visto o quão único e absoluto Ele o É e sempre será. E, particularmente, é no meu imerecimento, sabendo o quão nada eu sou,  sei que Ele é Deus. Pois só a sua graça e misericórdia é o que me mantém vivo e disposto a suportar e amar o próximo. A compartilhar da vida que Ele pode oferecer, que nada tem a ver com barganha. Que nada tem a ver com qualquer coisa que possam me oferecer, porque tudo isso vai passar. Mas tem a ver com a Eternidade, com o Reino de Amor. E o mais louco é que –  tudo isso é aqui… agora!