Inacabada

Quando o caminhar se tornou insuportável, Julia gritou.
Foi taxada de louca, mesmo que não houvessem palavras ditas. Tudo pairava no ar. E ela ouvia.
Ainda sim, gritou mais alto e mais alto e mais alto, até quase perder o fôlego.
Sentou exausta e encostou a cabeça na janela do trem. Era uma janela para dentro de si. Refletia sua vida – suas vidas, por conta das máscaras que fora obrigada a colocar – suas agonias. Tanta coisa inacabada. Tantas pontas soltas que a faziam tropeçar nos próprios pensamentos.
Esboçou um sorriso malfadado. Pensou em gritar uma vez mais, mas a voz também lhe abandonara.
Muitos pares de olhos a investigavam e julgavam – riam furtivamente. Mas, ela, a mais solitária das pessoas.
Mas tudo bem. Enquanto pudesse sentir as dores, sentia. Vivia!
Isso até o dia em que parou de sentir.
Quando o caminhar se tornou indiferente, Julia pulou.
Não percebeu o ar cortante nem o asfalto quente.
Ninguém percebeu. Passou como um conto mal contado de um carnaval sem fim.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s