Conversas Inomiváveis

A enfermeira que me atendeu tinha um sorriso largo no rosto, mas começou a conversa reclamando do último paciente que havia feito barraco em sua sala. O cara tava enchendo o saco desde a recepção, como se todos devessem um atendimento exclusivo. Ainda sim, foram super atenciosos e pacientes com o infeliz. Cheguei, inclusive, ceder minha vez para o velho reclamão. Era isso ou manda-lo para o raio que o parta. Mas não queria estragar ainda mais o ambiente de quem tava trabalhando ali.
Super simpática e prática, foi tirando os vários tubos de sangue para os exames enquanto comentava o fato de “gente ruim” sempre se dar bem. Reclamava e ria de gargalhar.
Ela, uma negra linda de 51 anos, que eu não daria mais de 30, me falou do recém namorado e como estava feliz em poder construir algo na atual idade, apesar de uma ex perseguidora estar em seu encalço.
Apesar de gostar do trabalho, o salário não era dos melhores e por isso estava mandando curriculos para outros hospitais para tentar completar a renda. “Quero dar um gás agora. Minha filha já está as portas de tomar o rumo dela e eu quero, logo mais, salgar a bunda com meu homem, em paz”.
Uma outra enfermeira entrou na sala e disse que havia uma criança birrenta para fazer exame de sangue. “Tranquilo. Desses pestinhas eu dou conta com as mãos nas costas”. A outra moça sorriu e saiu.
“Mas se acredita que todas as piores enfermeiras aqui, que não conseguem nem achar uma veia direito, conseguiram um segundo hospital e eu não?”. Comentei que o processo seletivo tava invertido. Que ela deveria se orgulhar de não estar no time das piores.
Rimos.
Disse que havia um versículo na Bíblia que dizia para não termos inveja dos ímpios, nem desejar sua companhia.
Ela retrucou que eu não tinha cara de quem lia a Bíblia. Concordei.
“De qualquer forma, não tem como não ficar puto com Deus”.
Balancei a cabeça afirmativamente.
“Mas esse foi um dom que Ele me deu. Então não tem pra onde correr”.
Eu sorri e respondi que sim. Disse que as coisas iam fluir como sempre fluem.
“Cê tem razão. Valeu amigo. Pronto. Bora casa que eu quero é saber de um café agora. Um bom pretinho da sempre jeito em tudo”, riu maliciosamente.
Foi chegando no Metrõ que me dei conta que nem perguntei seu nome. Algumas conversas ordinárias parecem ser inomináveis.

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s