Tudo Esta No Seu Devido Lugar

“Tudo está no seu devido lugar”, pensou. E na pressa se trancou para fora com as chaves em cima da mesa. Correu para a janela e, estranho, o criado mudo sem dizer uma palavra observava-o. Viu-se nas cinzas do jarro em cima da comoda. Se lembrava. O pai partira depois do coma. A foto de um amor emoldurado chamava atenção. Percebeu-se. Um chegava e o outro dormia. O outro partia, o um não via. 10 anos dormindo separadamente juntos. “Que saudade do seu calor”. “Droga. Minha marmita”. Conferiu o dinheiro no bolso e, por hoje, o almoço garantiria.
A vizinha olhava desconfiada pela janela. Viu de canto de olho o que via todos os dias. O ócio odioso de quem já não se importava mais consigo. Queria viver da vida dos outros. Daquele. Daquela. Daquilo. Olha o relógio. Atrasado, como nunca antes. Mas alguma coisa o prendia. Rebeldemente, decidiu ficar doente e não ir trabalhar. Não sabia exatamente o que sentia. Sentou-se a porta e murmurou coisas em alegoria ao que não entendia. Sabia que seu amor dormia lá cima. Não queria acordá-la. Esperou como nunca antes.
Sonolento, duas horas depois, o susto. A porta aberta e, então, sua musa. “O que está fazendo ai. Ficou louco?”.
A resposta fluiu como que o estourar de uma barragem “Venha, vamos entrar. Preciso me desculpar e te amar. Me tranquei para fora e me observei de fora. Infelizmente, tudo está no seu devido lugar”.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s