Como ser igreja?

wwwproibidopessoasperfeitascom

Era um travesti alto, magro e desengonçado, e tinha uns implantes. Não sei como começou na homossexualidade, mas disse que tinha sede de Deus desde antes. Quando criança, num passeio a uma Igreja Católica com sua mãe, viu um caixão de vidro com uma estátua de Jesus dentro. “Igreja do Jesus morto”; a mãe era devota. Quando chegaram perto, ele, pirralho, sentiu que Jesus lhe olhava.

 – Mãe, Jesus está vivo!

 – Pare de dizer besteira, menino… – ela não viu, mas ele sabia que Jesus não estava morto.

 Adulto, Daisy foi se desiludindo consigo mesmo numa sede que não terminava  por outro tipo de vida, apesar de ter tudo o que um travesti poderia desejar, como um parceiro e um filho adotivo. Ligava o rádio na sintonia dos pentecostais. Ouvia músicas e pregações o dia inteiro. Não se cansava nem da repetição nem dos chavões. Ouvia até a hora de sair para ganhar a vida na rua. Tornou-se um hábito ouvir o evangelho. O parceiro e os vizinhos se irritavam. Daisy ficava mais amuado, mais convicto. Começou a ler a Bíblia. Uma noite não agüentou mais. Percebeu que não tinha coração para levar a vida assim. Decidiu que aquela seria a sua última noite na rua. Ouviu rádio e pegou a Bíblia. Abriu no primeiro capítulo de Apocalipse, que fala sobre a revelação de Jesus, em suas vestes de luz e língua como espada de fogo. Lindo! Assim seria sua fantasia, a última da vida de rua.

 – Vou de “drag-jisas”.

 Enfeitou-se todo de branco e dourado, reverente. Não era uma drag qualquer, era o próprio Jesus de uma maneira simbólica dizendo-lhe que chegara sua hora de mudar. Não conseguiu fazer a vida naquela noite; pregava sem parar, como os pregadores do rádio que ouvia há tanto tempo. Pregava para as prostitutas, para os clientes, para os passantes. O ponto se esvaziou, os habituais corriam para não ouvi-lo. Finalmente, no romper da manhã, tendo arruinado a noite de todos os freqüentadores do ponto, sentou-se feliz, cantando uma daquelas músicas do tipo “sai demônios e vem Jesus”.

 Logo depois Daisy adoeceu e descobriu-se portador do vírus HIV. Estranhamente não teve medo. Sua irmã conhecia algumas pessoas em Belo Horizonte e resolveu dar uma passada por lá para ver se encontrava ajuda para ele. A vida tem seus caminhos; ao receber a medicação, Daisy encontrou também algumas pessoas do grupo VHIVER, que ajuda portadores do vírus da aids a viver com qualidade. De lá esbarrou nos crentes da Caverna de Adulão e conheceu o Jesus que amava. Converteu-se, “destravecou-se”, “homenzou-se” do melhor jeito que pôde. O parceiro ficara no Rio de Janeiro com o filhinho adotivo. Teve de dizer-lhe que era homem agora e que cuidaria do filho, mas já não seria “casado”. Sentiu-se puro como um bebê. Dizia que já tinha feito sexo demais a vida toda e agora não precisava mais; iria viver para Deus de todo o seu coração… Mas não podia ficar em Belo Horizonte, tinha de voltar ao Rio. O Geraldo, da Caverna, se preocupou: “E agora, o que vai ser de Daisy? Quem vai entendê-lo para integrá-lo?”A essa altura Daisy já se chamava como homem, mas os trejeitos de uma vida no submundo não saem fácil. As marcas (as mãos na cintura, o andar reboloso e a voz fina que ainda desafina) ficam. Daisy voltou para o subúrbio do Rio. Despachou o parceiro, pegou suas coisas e mudou-se. Mas aí veio a parte dura: conseguir um emprego, se sustentar de maneira digna e encontrar uma igreja onde fosse aceito. Nos primeiros meses quase não tinha dinheiro; a única congregação do bairro era o lugar mais perto. As emoções de Daisy ainda eram as emoções de uma caricatura de mulher. Ia à igreja esperando amor como o que encontrara em Belo Horizonte. No começo encontrava o porteiro:

– “Tem culto hoje não, desculpe.”

– “Ah…” – o ar decepcionado de Daisy não mudava em nada a cara do porteiro. Infelizmente a igreja não conseguiu entender o rapaz. Daisy tentou mais uma e mais outra. Mas o que aconteceria se no bairro vissem aquele homem ainda com peitos freqüentando os cultos? Terminou por entender que não era bem-vindo – mais uma ferida para carregar para quem já sofreu tantas. Sem ajuda na fé e sem apoio econômico e social para recomeçar, a fé de Daisy se apagou. Geraldo o viu um dia desses nas páginas de uma revista, militando pela causa homossexual, e respirou aliviado, pensando: “Pelo menos ele ainda está vivo…”

Daisy, se você está lendo isto, tente outra vez. Vamos aprender a caminhar com você pelo caminho da restauração. Vamos aprender a fazer da sua vergonha a nossa vergonha e, pelo nosso amor, fortalecer a sua fé naquele que nos transforma.

——————————————————————————-

 Bráulia Ribeiro é missionária em Porto Velho, RO, e presidente da JOCUM – Jovens com Uma Missão.

Anúncios

5 pensamentos sobre “Como ser igreja?

  1. É triste como colocamos o pecado sexual acima de todos os outros e preocupamos tanto com as aparências.
    Todos nós nos travestimos sempre que fingimos ser alguém que não somos. Todos nós nos prostituimos quando trocamos nossos princípios por algo.
    Para piorar, não entendemos que a igreja foi feita para os piores, e não para os melhores.
    Confesso que eu não saberia lidar com alguém como Daisy, até porque ninguém nunca me ensinou, mas não custaria nada tentar fazer como Jesus fez…
    Que Deus nos ajude…

  2. Todos nós nos travestimos sempre que fingimos ser alguém que não somos. Todos nós nos prostituimos quando trocamos nossos princípios por algo.

    MANDOU MTO ESSA PESSOA AI. MTO..

    gostei do comentario..! =)

  3. Eu conheço o Geraldo da canverna e a Bráulia da JOCUM!

    Eles são pessoas cheias do amor de Deus, que exalam isso nas suas atitudes, as vezes incompreendias pela maioria dos cristãos que são vitimas de uma praga chamada hipocrisia!

    Mas realmente… Não é para quelauqe um lhe dar com pessoas que trazem em suas almas feridas como “a” da Daisy… O bem da verdade é que infelizmente, as nossas igrejas não estão bem preparadas e equipadas para lhe dar com esse tipo de estrago. è facil cuidar de um jovem que usa drogas, ou que transa com sua namorada, ou um marido que trai a sua esposa… É facil demostrar amor pelo seu proximo quando isso não te expões ao ridiculo!
    Afinal… quem gostaria de ser visto andando com Daisy na rua? Quem iria abraçar a Daisy e leh dar um osculo santo na frente de outros?

    É igreja.. Acorda… Acorda pq enquanto nós durmimos no ponto, outros morrem nos pontos da vida!
    E o pior é quando esses que estão nos pontos da vida, conseguem sair mas voltam, pq não encontraram o amor que deveriam achar!

    Igreja, oq adianta apontar o caminho e seguir outra direção?
    Quando o mundo tenta te enchergar, será que vê o q vc realmente é?

    Deus nos ajude a sermso melhores cristãos… A começar em mim!

    Abç´s
    o/

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s